escola   / Curiosidades

Qual é a diferença entre Gibis e HQs?

Pode paracer que não, mas a resposta é mais simples do que você pode imaginar. Confira!

Thaís Mariano Publicado quinta 24 dezembro, 2020

Pode paracer que não, mas a resposta é mais simples do que você pode imaginar. Confira!
Revistas em quadrinhos do Flash - Pixabay

Para entender como surgiu o termo “Gibi”, é preciso voltar até o ano de 1930, período no qual as histórias em quadrinhos chegaram dos Estados Unidos — onde são chamadas de comic books — para o Brasil, graças ao jornalista Adolfo Aizen.

Como toda novidade, o modelo de contar histórias causou interesse e estranhamento, despertando a curiosidade de alguns e o desinteresse de outros. Aizen montou, então, um complemento infantil impresso para ser distribuído junto com o jornal “A Noite”, no qual as histórias saíam por capítulos, fazendo com que as pessoas comprassem a próxima edição para poder acompanhar. Logo a novidade virou febre entre as crianças e adolescentes, conquistando um público que era considerado uma mina de ouro para o mercado editorial e movimentado milhões de reais. 

É importante ressaltar que os primeiros impressos com narrações contadas através de desenhos, sátiras e charges com a intenção de entreter e criticar, remetem ao ano de 1837. Antes disso, já existiam esboços caricatos, porém não com o mesmo peso e desenvolvimento que ganharam anos depois. Nesse momento, os primeiros passos desse tipo de narrativa estavam começando a ser dados, e publicações como a revista “O Tico-Tico” de 1905, e posteriormente “O Malho”, foram considerados os primeiros quadrinhos nacionais.
 
Mas como surgiu o nome Gibi?

Foi percebido um aumento significativo nas vendas dos jornais no dia que o complemento infantil vinha acompanhando a edição. Jornais esses que eram distribuídos por garotos, em grande maioria pobres e negros, que tinham esse trabalho como alternativa para complementar a renda familiar. 

O termo “gibi” aparece em dicionários de meados de 1965 como “garoto negro”, “moleque” e outros substantivos parecidos. Essa era a forma de chamar os meninos responsáveis por venderem os jornais na época.
 
Em 1937, o jornalista Adolfo Aizen, o mesmo que trouxe exemplares das publicações estadunidenses para o Brasil, criou a revista em quadrinhos “Mirim”, agora lançada de forma completa, em um único volume para ler de uma vez.
 
Já no ano de 1939, Roberto Marinho lançou a revista chamada “Gibi”, que é o nome do personagem principal, para competir com o sucesso de Aizen. A partir daí, o termo, que já tinha se popularizado, passou a dar nome a esse tipo de publicação. 

Então qual a diferença entre Gibi e HQ’s?

A diferença está, basicamente, no nome. Enquanto gibi é uma expressão brasileira e geralmente associada à publicações nacionais para o público infantil, HQ é associado à publicações internacionais de heróis, ou com o mesmo estilo artístico. Retirando a denominação, ambas são histórias contadas através de desenho separados por pequenos quadros, dinâmicos e ritmados conforme a narrativa. 

Independente do nome, todo mundo com certeza tem uma história em quadrinhos que adora acompanhar, não é mesmo?! 

Agora que já sabe a diferença, boa leitura!


Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com a data da publicação desta postagem. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a Recreio pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Clique no link abaixo para comprar o produto e entender mais sobre esse assunto:

A guerra dos gibis 

Gibis e HQ´s

 

Último acesso: 24 Sep 2021 - 11:43:36 (1100175).