Recreio
Escola / Datas comemorativas

Por que a Páscoa sempre muda de data?

Entenda como esse dia é calculado e por que ele é tão importante

Letícia Yazbek Publicado em 31/03/2020, às 16h32 - Atualizado às 17h37

Pixabay
Pixabay

Neste ano, a Páscoa será celebrada e 12 de abril. Mas você já teve ter reparado que essa data comemorativa cai cada ano em um dia diferente. Nós sabemos que ela é celebrada sempre em um domingo, entre março e abril, mas o dia exato sempre muda.

O Natal, que marca o nascimento de Jesus Cristo, foi estabelecido pela Igreja Católica em 25 de dezembro, primeiro dia do solstício de inverno do Hemisfério Norte - não há nenhuma evidência história da data correta do nascimento de Jesus. A escolha foi baseada em uma fala de João Batista no evangelho de São João.

Também não há evidências a respeito das datas de morte e ressurreição de Cristo, mas há um período em que elas provavelmente ocorreram. Por isso, a Páscoa segue o calendário lunar, sem uma data fixa, de acordo com o que se sabe sobre os acontecimentos da época.

A morte de Cristo teria acontecido em uma sexta-feira durante o Pessach, a Páscoa judaica, celebração que acontece na fase de Lua cheia após o equinócio da primavera do Hemisfério Norte, entre os dias 19 a 21 de março. Já a ressurreição teria ocorrido no domingo seguinte.

Como as fases da Lua não mudam sempre nos mesmos dias todos os anos, a data da Páscoa também muda. Ela é comemorada sempre no primeiro domingo depois da primeira Lua cheia após o equinócio da primavera - ela pode ocorrer entre os dias 22 de março e 25 de abril.

Esse período só foi adotado oficialmente como a Páscoa em 325 d.C., duante o Conselho de Niceia. A Igreja se apropriou de comemorações pagãs, em que culturas antigas celebravam a mudança de estação do ano com festas de semeadura e colheita.

A Páscoa é uma data muito importante, pois é a partir dela que são definidas outras datas comemorativas, como o Carnaval - que acontece 47 dias antes da Páscoa, de 4 de fevereiro a 9 de março - e Corpus Christi - 60 dias depois da Páscoa, de 21 de maio a 24 de junho.