Recreio
Corpo Humano / Organismo

10 funções automáticas do nosso corpo

Espirro, coceira, sono, tristeza... Muitas das coisas que acontecem com você e não podem ser controladas

Lucas Vasconcellos Publicado em 07/08/2020, às 11h30 - Atualizado às 17h26

Imagem ilustrativa de um bebê bocejando - Pixabay
Imagem ilustrativa de um bebê bocejando - Pixabay

1. Espirro

O espirro é uma das formas que o corpo tem de se defender de microrganismos. vírus, bactérias e partículas estranhas (poeira, pólen de flores ou até perfumes) podem levar você a espirrar. Quando algo estranho entra em contato com as vias respiratórias , o organismo detecta algo errado e faz com que você espirre, evitando que o intruso chegue aos pulmões. Para que o espirro seja liberado, entra em ação o nervo trigêmeo – ele passa pelo nariz e por várias partes da cabeça. É assim que o espirro acontece a até 160 quilômetros por hora!

2. Sentimentos

Quando algo acontece com você, seja para o bem ou para o mal, surgem a alegria, o medo, a tristeza, a ansiedade ou outros sentimentos. Ao receber uma boa notícia, por exemplo, o cérebro procura por memórias parecidas, relacionadas a outros momentos da sua vida. Então, você se sente muito feliz! Durante esse processo dentro do cérebro, uma pequena estrutura, chamada de amígdala, é fundamental para controlar as emoções e criar reações no corpo, como dar risada ou até um pulo de felicidade!

3. Suor

O suor é um líquido composto por água e outras substâncias (como ureia e cloreto de sódio), surge quando a temperatura interna do corpo corre risco de aumentar (como em dia um muito quente). Para que a temperatura interna não passe dos 37 graus Celsius, o organismo aciona a transpiração por meio de glândulas sudoríparas que ficam na pele – existem cerca de 2 milhões dessas glândulas pelo corpo. A transpiração faz com que você elimine calor interno por meio do suor. E você fica vermelho ao suar? É normal: quando a temperatura no organismo sobe, o volume de alguns vasos sanguíneos também aumenta, deixando áreas avermelhadas.

4. Coração acelerado

Ele aparece em diversas situações, como durante uma corrida. Em ritmo normal, toda vez que o coração bate, uma determinada quantidade de sangue é bombeada para todas as regiões do corpo. Porém, durante o esforço físico, o órgão precisa bater mais vezes por minuto porque o organismo necessita de mais oxigênio para seguir funcionando bem - é o sangue bombeado pelo coração que leva o oxigênio para todas as células do corpo. Em média, o coração de uma criança saudável bate entre 80 e 90 vezes por minuto. Em atividades agitadas, esse número sobe para até 118 vezes por minuto.

5. Soluço

Ele está ligado à diminuição na frequência com que respiramos. Também surge quando você come demais, ingere muita bebida com gás e até em momentos de nervosismo. Tudo começa quando o estômago pressiona o nervo frênico, responsável pelos movimentos do diafragma, músculo que regula a respiração. Quando está pressionado, esse nervo estimula o diafragma da maneira errada. Com isso, a entrada de ar é interrompida por um instante, fazendo o corpo sacudir – é o soluço! Ao mesmo tempo, as pregas vocais vibram e produzem aquele barulho esquisito. Para se livrar disso, algumas atitudes podem ajudar, como segurar a respiração por alguns segundos.

6. Bocejo

Basta você ter dormido pouco ou ficar acordado até mais tarde para que o bocejo apareça! A ação significa que você está cansado e respirando com menos força. Nesse momento, o corpo detecta a falta de oxigênio (menos gás está entrando pela respiração). Para receber mais dessa substância, o corpo nos faz respirar de forma mais profunda, bocejando. Embora não se saiba ao certo, os cientistas também acreditam que, durante o bocejo, uma área do cérebro seja ativada para espantar o sono.

7. Sono

Você pode até adiar o momento em que vai dormir, mas uma hora ou outra acabará caindo no sono. Esse momento é essencial para a saúde: muito tempo sem dormir, pode diminuir o número de neurônios e até provar doenças, como diabetes e depressão.

Durante o dia, o organismo se prepara para a hora de dormir. Ele começa produzindo e acumulando uma substância chamada adenosina. Depois, com a chegada da noite e a menor quantidade de luz no ambiente, os olhos enviam estímulos ao cérebro, avisando que a hora de descansar está mais próxima. É aí que a adenosina se transforma em melatonina, hormônio que leva ao sono. Enquanto você dorme, o corpo poupa energia e armazena o que você aprendeu no dia, por exemplo.

8. Tosse

A tosse é um reflexo que livra o aparelho respiratório de substâncias estranhas, muco ou de partículas que invadiram o organismo durante a respiração.

Em nosso corpo, a epiglote (cartilagem que fica acima da laringe) é uma espécie de tampa que evita a comunicação entre os aparelhos respiratório e digestivo. Se você toma uma bebida e essa tampa não se fecha, o líquido vai parar no sistema respiratório e você engasga, provocando a tosse – dá para evitar que isso ocorra não bebendo ou comendo muito rápido, por exemplo. Mas isso também acontece quando você tem uma infecção e acumula muco na região dos brônquios, bronquíolos ou pulmões. Para não comprometer a respiração, o corpo produz a tosse!

9. Arrepio

O arrepio é uma tática de defesa do organismo para aquecer o corpo ou nos avisar de que algo pode nos colocar em perigo. De repente, bate um vento frio e os pelos dos braços se arrepiam. É o sistema nervoso entrando em ação para evitar que a temperatura interna do corpo caia.

É aí que entram em ação pequenos músculos que se contraem, deixando os pelos em pé – é o arrepio! Isso forma um tipo de cobertor sobre a pele: o ar entre os pelos fica mais quente e sentimos menos frio. Além disso, os pelos se arrepiam quando nos sentimos ameaçados ou somos pegos de surpresa. Trata-se de uma tática dos nossos ancestrais, que eram bem mais peludos, para parecerem maiores. Hoje, não tem mais utilidade.

10. Sonho

Os sonhos ocorrem durante a fase dos movimentos oculares rápidos (REM). Nesse período, a atividade cerebral e os movimentos dos olhos são rápidos e os músculos estão relaxados. Por isso, é comum o cérebro confundir a realidade e incorporar o que está acontecendo ao sonho. A gente sonha toda noite e o que acontece ali é a reprodução da memória mais recente. Mas o cérebro pode confundir as informações e misturar as situações, criando sonhos estranhos. A ciência ainda não sabe o motivo para isso acontecer!