Recreio
Facebook RecreioTwitter RecreioInstagram Recreio
Mapa-Múndi / Mapa-Múndi

Quando os imigrantes começaram a chegar no Brasil?

Confira os principais momentos em que povos de diversos locais do planeta vieram morar em nosso país

Redação Publicado em 23/06/2022, às 13h17

Bandeiras - Getty Images
Bandeiras - Getty Images

1. ESPANHÓIS

Bandeira da Espanha
Bandeira da Espanha / Crédito: Getty Images

Terra à vista!

A vinda de espanhóis começou ainda no início do período colonial, no século 16. Navios portugueses que chegavam ao nosso país já traziam pessoas vindas da Espanha — eram, por exemplo, marujos, que ajudaram no reconhecimento e exploração do território brasileiro. Até Padre José de Anchieta, um dos fundadores da cidade de São Paulo, era espanhol — ele havia estudado em Portugal, na cidade de Coimbra.

Apesar de a presença espanhola em nosso país ter começado cedo, é importante lembrar que eles eram poucos por aqui entre o final do século 16 e a primeira metade do século 17.

Novo rumo

Passados os primeiros anos após o Descobrimento do Brasil, espanhóis voltaram para cá em outras épocas. No fim do século 19, por exemplo, a falta de emprego e a fome que ameaçavam a população daquele país fizeram com que muitas pessoas se mudassem para o Brasil, que, na época, incentivava a vinda de imigrantes para trabalhar — tratava-se de mão de obra mais especializada do que a nossa.

Por volta de 1880, diversos espanhóis se fixaram em São Paulo para atuar em lavouras de café. Além de São Paulo, onde trabalhavam em fazendas de café, espanhóis seguiram para o Rio de Janeiro e Bahia. Mais tarde, na década de 1930, quando a Guerra Civil Espanhola explodiu, mais gente veio para cá!

Herança gastronômica

Entre as influências espanholas em nossa sociedade estão o churro, o cultivo e o consumo de frutos do mar, além das primeiras plantações de centeio e alfafa.

2. ALEMÃES

Bandeira da Alemanha
Bandeira da Alemanha / Crédito: Getty Images

Em busca de um lar

O primeiro grupo de alemães chegou ao nosso país em 1818, no sul da Bahia. Mas a primeira colônia foi fundada em São Leopoldo (Rio Grande do Sul). Eles viajavam para cá por causa da difícil situação econômica que a Alemanha vivia na época. Tempos depois, novos grupos foram viver em locais dos estados de São Paulo, Santa Catarina e Paraná.

Ocupação sulista

Durante o processo de imigração, boa parte dos alemães ficou no Rio Grande do Sul. Diferentemente de São Paulo, que incentivava a vinda de estrangeiros para trabalhar na cafeicultura, os estados do Sul buscavam pessoas para povoar, por exemplo, áreas de florestas e próximas a rios.

Mais gente

O ápice da imigração ocorreu entre 1920 e 1930 — período após o término da Primeira Guerra Mundial e antes do início da Segunda Guerra Mundial. Foi uma época em que a Alemanha vivia muitas tensões políticas e econômicas, o que gerava desemprego.

Assim, os alemães já não vinham mais para cá apenas para povoar, mas para trabalhar como operários e professores em grandes cidades.

Eles fizeram a diferença!

A mão de obra especializada do imigrante alemão ajudou no desenvolvimento da região Sul do Brasil: diversificou a agricultura (com o aumento do cultivo de trigo), aumentou a criação de suínos e acelerou a urbanização da região.

3. ITALIANOS

Bandeira da Itália
Bandeira da Itália / Crédito: Getty Images

Atrás do novo

Motivados por problemas na economia, os italianos (principalmente da região sul) migraram para outros locais do mundo. Entre os países que os  receberam está o Brasil, a partir de 1860.

Do ladobrasileiro, havia interesse no trabalho dos italianos por se tratar de mão de obra mais especializada do que a que existia por aqui na época.

Sul e Sudeste

Chegando ao Brasil, os italianos iam para São Paulo, onde trabalhavam nas fazendas de café. Grupos menores foram para o Rio de Janeiro e para a região Sul, onde encontraram territórios já dominados pelos alemães. Assim, os que ficaram pelo Sul acabaram sendo enviados para locais mais afastados, ocupando terras poucos férteis para o plantio.

Estamos chegando!

O processo que trouxe imigrantes italianos para cá, assim como outros europeus, é conhecido como imigração subvencionada, com financiamento das passagens e hospedagem para a família que estava se mudando. Tudo isso em troca de mão de obra — incluindo a de mulheres e crianças. Ou seja, os custos da viagem eram pagos com o trabalho da família.

E viva o macarrão!

Atualmente, a maior colônia de imigrantes que existe no Brasil é a italiana. Prova disso é o nosso cardápio, cheio de pratos típicos da Itália, como os mais variados tipos de massa.

4. ÁRABES

Em busca de paz

Povos árabes (sírios, libaneses e palestinos) vieram para o Brasil motivados, principalmente, por questões religiosas — grupos de muçulmanos perseguiam cristãos nesses países. Além disso, a economia da região era cheia de problemas. Assim, eles começaram a desembarcar por aqui por volta de 1860.

Sabia que muitos acabaram sendo chamados de turcos porque chegavam com o passaporte do Império Otomano? Parte do que foi esse império hoje é o território da Turquia.

Vida de comércio

Em São Paulo, na década de 1930, os árabes se concentravam na região central da cidade, em áreas como Sé e Santa Ifigênia. Ali, formaram uma comunidade de comerciantes, criando o comércio popular.

Algo parecido aconteceu no Rio de Janeiro. A partir da Primeira Guerra Mundial (1914 – 1918), com a interrupção da importação de produtos vindos da Europa, os árabes também ganharam espaço na indústria.

Onde estou?

Mas o Brasil não era o destino inicial pretendido por essa população. A ideia era ir para os Estados Unidos, mas muitas pessoas foram enganadas e vieram para cá ou para a Argentina. Em nosso país, a maioria foi para São Paulo — grupos menores seguiram para o Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Bahia. Diferentemente dos europeus, eles não tinham incentivos do governo brasileiro para a viagem.

Delícias à mesa!

Além de terem ajudado a formar o comércio nas áreas urbanas, os árabes nos influenciaram bastante na culinária — há diversos restaurantes típicos pelo país.

5. JAPONESES

Bandeira do Japão
Bandeira do Japão / Crédito: Getty Images

Do outro lado do mundo

O primeiro grupo de japoneses chegou ao Brasil em 1908. O Japão passava por uma crise e muita gente saiu em busca de novas oportunidades. Boa parte foi trabalhar em fazendas de café. Até 1923, o número de japoneses por aqui era de cerca de 31 mil. Principais destinos: Mato Grosso do Sul, São Paulo e Paraná.

Mais gente chegando

Até a década de 1960, mais japoneses desembarcaram em nossas terras. Mas, diferentemente dos que chegaram primeiro, os últimos se instalaram em grandes cidades — acreditavam que, assim, filhos e netos teriam mais condições de estudar. Eles abriram restaurantes e bares, por exemplo.

Dificuldades de todo tipo

A adaptação não foi fácil. As diferenças de idioma, comida e costumes eram gigantescas! Na época em que os primeiros japoneses chegaram, quase não havia arroz no Brasil — e essa é a base da alimentação daquele povo.

Arigatô!

Os japoneses influenciaram bastante nossa agricultura: trouxeram novas técnicas de cultivo e ajudaram a aumentar a produção de comida — ainda nos deram novas espécies de alimentos, trazidas do Japão, como tangerina, morango e caqui. Além disso, esses imigrantes nos apresentaram as artes marciais e até as técnicas de dobradura.

Karatê
Um garoto treinando Karatê nos Jogos Olimpicos de Tokio 2020 / Crédito: Tomohiro Ohsumi/Getty Images