Recreio

Mulan: Diferenças entre a animação e o live-action

Para se aproximar da antiga história chinesa, o novo filme terá diversas mudanças em relação à animação

Letícia Yazbek Publicado em 22/02/2020, às 13h00

Divulgação
Divulgação

Muito aguardado pelo público, o live-action de Mulan estreia nos cinemas brasileiros em 26 de março. Mas a nova versão da história da heroína não será idêntica à apresentada na animação lançada em 1998.

O novo filme será baseado em A Balada de Hua Mulan, poema folclórico chinês muito conhecido no país. A animação, também baseada no poema, traz diversos elementos lúdicos que não estão na história original - o live-action pretende trazer um tom mais sério e realista, se aproximando da lenda chinesa.

Uma das principais mudanças é que o live-action não terá números musicais. Segundo a diretora do filme, Niki Caro, as canções não ficarão completamente de fora, mas não serão parte essencial da trama - é provável que elas apareçam apenas em versões instrumentais ou sejam referenciadas em determinadas cenas.

Essa decisão teria sido tomada porque a trilha sonora de Mulan não é considerada tão popular quando as de outros clássicos da Disney, como A Pequena Sereia e O Rei Leão. Além disso, as músicas poderiam não funcionar tão bem com o tom mais sóbrio da nova versão.

Além disso, no live-action Mulan terá uma irmã, interpretada pela atriz Xana Tang. Na animação, ela era filha única. O comandante Li Shang, por quem a jovem se apaixonada, também não será representado no novo filme. Em vez disso, um personagem inédito, chamado Chen Honghui, que será um importante aliado de Mulan, será seu interesse amoroso.

O vilão também será outro na nova versão - Shan-Yu, o líder dos hunos, não estará presente. A grande antagonista será uma poderosa bruxa, interpretada pela atrix Gong Li. Já Jason Scott Lee viverá Khan, um guerreiro que busca vingar a morte de seu pai.

No entanto, uma das mudanças que mais chocou os fãs da animação foi a ausência de Mushu. O pequeno dragão de Mulan foi um personagem criado por Roy E. Disney para o filme de 1998 - não há qualquer menção a dragões no poema tradicional chinês.