Viva a História | Viva a História

Por que falamos obrigado, de nada, saúde e parabéns?

Entenda a origem dessas e de outras expressões que costumamos usar

segunda 4 novembro, 2019
Foto:Getty Images

Ligados por um favor

Quando queremos agradecer a alguém, o mais comum é usarmos a palavra obrigado. Ela vem do verbo obligare, em latim, que significa algo como ligar ou amarrar. Daí, veio a expressão fico-lhe obrigado, que depois foi abreviada para obrigado. Quando dizemos essa palavra a alguém, queremos dizer que reconhecemos nossa dívida com a pessoa que fez um favor ou gentileza. Assim, criamos uma ligação com essa pessoa e ficamos devendo um favor a ela. No lugar de obrigado, também podemos usar expressões como grato ou agradecido.

Notícias Relacionadas

Em inglês, a expressão que equivale ao nosso obrigado é thank you. Ela tem as variações thank you very much, que enfatiza o agradecimento, e thanks, uma forma abreviada. No Reino Unido, Austrália e Nova Zelândia, também é comum as pessoas dizerem ta, uma forma mais informal. O thank you vem do dinamarquês tak, também usado para agradecer. O dinamarquês foi um dos idiomas que mais influenciou o inglês, assim como o francês e o alemão.

Sem obrigação

Desde a origem do agradecimento, quem presta um favor responde de nada ou por nada, que significa de modo nenhum. No Brasil, as diferenças regionais deram origem a outras formas de responder ao agradecimento, como imagina, não há de quê, além de gírias e jeitos mais informais. Mas todas as versões querem dizer o mesmo – quando respondemos ao obrigado, queremos dizer que a pessoa não está nos devendo ou não é obrigada a nada.

Atchim!

No Brasil, dizemos saúde a alguém que acabou de espirrar. Mas você sabe por que fazemos isso? Não se sabe ao certo como esse costume surgiu, mas acredita-se que ele tem origem nas antigas crendices populares. Algumas pessoas acreditavam que o coração parava por um instante durante o espirro e que dizer saúde era uma forma de dar boas vindas quando alguém volta à vida. Hoje, a ideia mais comum é a de que o espirro é o início de uma doença, por isso desejamos que a pessoa tenha saúde.

Outros países também têm seu próprio jeito de desejar o bem de quem espirra. Em Portugal, o costume é dizer santinho. Nos países de língua inglesa, se diz algo como Deus te abençoe. Na China, é usada uma expressão que significa que você viva 100 anos.

Quem é?

O inventor do telefone, Alexandre Graham Bell, queria que as pessoas atendessem ao telefone dizendo a palavra ahoy, uma saudação náutica. Nessa época, não se sabia como indicar de quem era a vez de falar – até foi cogitado usar uma campainha! Aí, em 1877, Thomas Edison escreveu uma carta para a companhia telegráfica dos Estados Unidos e sugeriu que usassem hello (olá, em inglês). Como é uma expressão mais comum do que ahoy, o hello se tornou mais popular. Acredita-se que hello é derivado do termo húngaro hallod, que significa você está me ouvindo? A língua portuguesa adaptou a expressão e criou o alô que usamos até hoje.

Comemoração antiga

O costume de celebrar os aniversários surgiu por volta do ano 3.000 antes de Cristo, no Egito antigo. Nessa época, as comemorações eram dedicadas apenas a faraós e deuses. Com o tempo, os romanos também adquiriram o hábito e passaram a festejar o aniversário do imperador e dos senadores. Aos poucos, o costume se espalhou pelo mundo e surgiram símbolos como o bolo, os presentes e o Parabéns a Você. Quando alguém faz aniversário, damos os parabéns como forma de desejar bons momentos e celebrar mais um ciclo de vida da pessoa.

Sinto muito!

A expressão meus pêsames mostra um sentimento de compaixão, normalmente em relação à morte de alguém. Dizemos esse termo para os parentes e pessoas próximas de quem faleceu para demonstrar que somos solidários e oferecer conforto. Ele também pode ser dito para alguém que passou por uma situação ruim. Outras línguas também têm uma expressão para mostrar o mesmo sentimento. Em inglês, por exemplo, o mais comum é my condolences.

 

Consultoria: Luiz Antonio da Silva (professor do Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas da USP).

Letícia Yazbek
Leia Mais:

Assine e Ganhe

FAMOSOS

  1. 1 Nem sempre os livros contam histórias inventadas. Confira cinco sugestões de obras baseadas em fatos reais 5 livros sobre histórias reais
  2. 2 Qual é a importância da música na nossa vida?
  3. 3 Quando usar mais e mas?
  4. 4 5 livros sobre a felicidade
  5. 5 A poluição do plástico no meio ambiente