Recreio
Mapa-Múndi / Natureza

Conheça as ilhas Galápagos, ecossistema único em nosso planeta

As ilhas do arquipélago têm uma biodiversidade incrível, com plantas e animais que só vivem lá

Letícia Yazbek Publicado em 28/05/2020, às 14h00 - Atualizado às 18h51

Getty Images
Getty Images

O arquipélago de Galápagos é formado por 13 grandes ilhas, seis ilhas pequenas e mais de 100 rochas, que ocupam um espaço de oito mil quilômetros quadrados. Ele está localizado no Oceano Pacífico, a cerca de mil quilômetros de distância da costa do Equador, país a qual pertence. Apenas quatro ilhas são habitadas: Floreana, Santa Cruz, San Cristóbal e Isabela. A população do arquipélago é de cerca de 25 mil habitantes.

As ilhas que formam o arquipélago de Galápagos teriam surgido de erupções vulcânicas, há cerca de quatro milhões de anos. As ilhas mais novas têm cerca de 300 mil anos. Hoje, Galápagos é declarado Patrimônio Natural da Humanidade e Reserva da Biosfera, pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO).

Galápagos tem uma grande biodiversidade, com uma fauna que inclui muitas espécies endêmicas — que não vivem em nenhum outro lugar do planeta. As tartarugas gigantes são a espécie mais conhecida do arquipélago. Elas medem mais de um metro de comprimento e pesam cerca de 300 quilos.

Também há iguanas marinhas, que vivem em zonas rochosas na beira do mar e se alimentam de algas, e uma espécie de pinguim especial, que só vive por lá. Há também uma grande variedade de pássaros, como atobás de patas azuis, pelicanos, flamingos, fragatas e tentilhões.

A localização de Galápagos é privilegiada — o arquipélago fica entre quatro correntes oceânicas do Pacífico, que vêm de diferentes direções e profundidades e trazem grande diversidade de animais. As águas são ricas em nutrientes e vitaminas, e abrigam mais de 500 espécies de peixes, que servem de alimento para aves e mamíferos marinhos.

Com a ação dos ventos, do mar e das chuvas, as ilhas assumiram formas e climas diferentes. A Ilha Rábida é conhecida pela areia grossa e vermelha, por causa da concentração de ferro vindo dos vulcões. Lá, a principal vegetação são cactos bem pequenos e com frutos, parecidos com um kiwi. Já a Ilha Española tem a areia branca e fina, ideal para tomar sol ao lado dos lobos marinhos. As águas mansas são ótimas para mergulhar e andar de barco. A Ilha Isabela, a maior do arquipélago, abriga cinco vulcões — entre eles está o Vulcão Wolf, que entrou em erupção em maio deste ano.

Galápagos teve um papel importante para as pesquisas sobre a evolução das espécies. Em 1835, o naturalista inglês Charles Darwin chegou ao arquipélago, a bordo do navio HMS Beagle. Ele passou cinco semanas por lá e fez anotações sobre a fauna e a flora local. A observação dos animais, como as tartarugas gigantes e os tentilhões, foi fundamental para Darwin ter as ideias que apresenta na Teoria da Evolução das Espécies. Nessa teoria, ele mostra que é preciso se adaptar ao ambiente para sobreviver.

Para proteger os animais e as plantas que vivem nas ilhas, os visitantes precisam seguir as regras estabelecidas pelo Parque Nacional Galápagos. Nenhum item pode ser removido do lugar, nem mesmo uma folha ou uma pedra. Nada pode ser transportado de uma ilha para a outra e os animais não devem ser tocados ou alimentados. Essas medidas ajudam a manter o equilíbrio do local e preservar as espécies que vivem lá.