Recreio
Escola / Arte

Você conhece as técnicas de pintura?

Aquarela, guache, a óleo... Existem diversas técnicas de pintura. Conheça algumas delas!

Bruna Cardoso Publicado em 02/12/2021, às 16h15 - Atualizado às 16h17

Quadro Madonna Rucellai, de Duccio, na técnica têmpera - Wikimedia Commons
Quadro Madonna Rucellai, de Duccio, na técnica têmpera - Wikimedia Commons

Têmpera

O que é: técnica em que pigmentos e água são misturados a uma goma orgânica (como a gema de ovo). Foi muito usada na arte italiana dos séculos 14 e 15, em paredes ou painéis de madeira com gesso, mas acabou abandonada por causa das limitações que possuía (não era possível, por exemplo, obter muitas tonalidades de cor). Assim, pintores e artesãos começaram a trabalhar com pintura a óleo.

Principais características: dá efeito brilhante e luminoso.

Exemplo de pintor: Duccio, italiano que viveu entre os séculos 13 e 14 e escolheu essa técnica para grande parte dos quadros que fez.

Tinta a óleo

O que é: com secagem lenta (leva até meses para secar completamente quando as camadas são espessas), é uma mistura de pigmentos e óleo secante. Essa combinação costuma ser viscosa (mais grossa do que uma tinta comum) e, por isso, também leva solvente. A técnica é conhecida desde o século 12, quando surgiu na Europa para decoração. A partir do século 15, foi adotada nas artes.

Principais características: permite a criação de detalhes de sombra e luz.

Exemplos de pintores: os irmãos Eyck, da Bélgica – Jan Van Eyck pintou o famoso quadro a óleo O Casal Arnolfini (1434).

tinta a óleo
Quadro O Casal Arnolfini, de Jan Van Eyck (1434) / Crédito: Wikimedia Commons

Aquarela

O que é: os pigmentos são dissolvidos em água ou usados sobre uma superfície, como uma paleta de cores feita de madeira. Estima-se que tenha surgido há cerca de 2 mil anos, na China, na mesma época em que surgiram o papel e os pincéis. Quem usa a aquarela costuma retratar a natureza.

Principal característica: a transparência das cores.

Exemplo de pintor: Kieron Williamson, do Reino Unido, que usa a técnica para pintar paisagens, como no quadro Aldeburgh (2016).

aquarela
Artista fazendo uma pintura em aquarela / Crédito: Wikimedia Commons

Acrílico

O que é: técnica preferida de muitos pintores, usa tinta solúvel em água. Tem secagem rápida e cheiro menos forte. A história dela é recente: a tinta acrílica só chegou ao mercado norte-americano nos anos 1950. Antes, era usada por artistas mexicanos, que faziam exposições em grandes painéis em espaços públicos.

Principal característica: é resistente à umidade.

Exemplo de pintor: Diego Rivera, muralista mexicano. Uma das principais obras dele é Patricios y Patricidas, mural feito entre 1945 e 1960.

Afresco

O que é: a pintura acontece em tetos ou paredes. Os artistas pintam sobre camadas de revestimento de cimento fresco ou úmido, gesso ou nata de cal e argamassa. O afresco era comum entre gregos e romanos para representar grandes temas – como guerras apresentadas em murais.

Principal característica: como o reboco do afresco desbota os tons, os melhores resultados são obtidos com cores suaves.

Exemplo de pintor: um dos mais conhecidos foi o italiano Michelangelo – um dos afrescos dele é a pintura no interior da Capela Sistina, no Vaticano.

capela sistina
Teto da Capela Sistina / Crédito: Wikimedia Commons

Encáustica

O que é: usada desde a Antiguidade, era muito aplicada por gregos e romanos. Leva uma mistura de cera e pigmentos, que fica densa e cremosa. Muitas pinturas antigas com essa técnica resistem intactas até hoje! Atualmente, a mistura da encáustica contém cera de abelha e cera carnaúba (uma árvore).

Principal característica: é muito resistente!

Exemplo de pintor: o norte-americano Jasper Johns, que, no início da carreira, fazia quadros de bandeiras, mapas e números, todos com origem na técnica encáustica.

bandeiras
Quadro Três Bandeiras, de Jasper Johns (1958) / Crédito: Wikimedia Commons

Guache

O que é: conhecida também como aquarela concentrada, é uma tinta à base de água, que já era usada por artistas da Idade Média em iluminuras (pinturas de pergaminhos medievais). O que a torna diferente da aquarela é o fato de ser mais pesada – deve ser usada sobre papel mais pesado.

Característica: o resultado não tem muito brilho.

Exemplo de pintor: Arsênio Cintra da Silva, brasileiro que introduziu essa técnica em nosso país, retratando, principalmente, paisagens do campo, como na obra Arredores de Paris (feita por volta de 1960).