Recreio
Escola / Arte

Por que a arte é importante na nossa vida?

Praticar atividades artísticas podem fazer muito bem para o nosso dia a dia. Entenda!

Lucas Vasconcellos Publicado em 02/07/2021, às 10h00 - Atualizado às 10h28

Artista em seu local de trabalho - Pixabay
Artista em seu local de trabalho - Pixabay

Acredite: todo mundo é capaz de praticar algum tipo de arte. Muitas vezes, fazemos isso sem perceber. Duvida? Imitar seu melhor amigo é arte — e cantar no chuveiro também! Isso quer dizer que a arte envolve diversas atividades, como criar, decorar, recortar, modelar, pintar, desenhar, e até mesmo jogar.  

Para todos

Mesmo que você não queira ser um cantor ou pintor profissional, pode praticar arte no dia a dia para se divertir e aproveitar todos os benefícios que ela traz. Um dos mais legais é aprender a lidar melhor com os seus sentimentos — no teatro, na música, na dança e na pintura, você expõe o que sente, mesmo sem usar as palavras, e passa a se conhecer melhor.

A arte também leva você a ser mais criativo, a ficar mais atento e a conviver bem dentro de um grupo, respeitando o espaço dos outros e ajudando a todos a se sair em determinada atividade.

Nota 10!

Sabia que estar envolvido com alguma atividade artística também faz você confiar mais em si mesmo? Afinal, ao se arriscar em um trabalho de arte (como inventar um desenho e mostrar o resultado para os outros), você passa a acreditar mais nas suas capacidades.

Se você tem vergonha de falar em público, é muito ansioso ou vive nervoso por aí, converse com seus pais sobre fazer aulas de teatro, de dança ou aprender a tocar um instrumento. Todas essas opções ajudam a liberar as emoções (de tristeza à alegria) e dão aquela força na sua vida!

Experimente

Não sabe se prefere cantar, desenhar ou tocar piano? Converse com seus pais e tente alguma dessas atividades. Você só vai descobrir do que realmente gosta depois de experimentar. Toda cidade costuma ter um centro cultural que oferece aulas. Faça uma visita e veja o que mais combina com você!


Consultoria: Mirela Ferraz (doutoranda em teatro pela UDESC).