Recreio
Busca
Facebook RecreioTwitter RecreioInstagram Recreio

Relembre a história de Perséfone, a princesa esquecida da Disney

Veja qual foi a narrativa que a apresentou Perséfone, e como a personagem esquecida é importante para a história da Disney

Cena do curta 'A Deusa da Primavera' (1934) - Reprodução/Disney
Cena do curta 'A Deusa da Primavera' (1934) - Reprodução/Disney

Em 1934, a Disney lançou o filme que daria um passo importante para que uma das franquias mais lucrativas do estúdio, a Disney Princesa, surgisse — e não, não estamos falando de ‘Branca de Neve e os Sete Anões’, já que o filme da princesa envenenada por uma maçã dada por sua madrasta, a Rainha Má, surgiu pouco depois, em 1937.

A princesa esquecida

A produção em questão é "A Deusa da Primavera", curta-metragem que pertence à série Silly Symphonies, e foi responsável por apresentar a primeira princesa da Disney, assim como a primeira personagem humana já criada pelo estúdio: Perséfone.

Na história, baseada em um antigo mito da Grécia Antiga, intitulado “Rapto de Perséfone”, a protagonista, filha de Zeus, o rei dos deuses e senhor do Olimpo, com Deméter, a deusa da colheita e da fertilidade, é apresentada como a bela deusa da primavera que acaba raptada por Hades, deus do mundo dos mortos, que deseja torná-la sua esposa.

Levada ao mundo inferior, onde vive sob custódia de Hades, Perséfone observa que um longo inverno se instaura, sendo necessário que ela retorne a superfície para que o sol volte a brilhar, os animais saiam de suas tocas e as flores comecem a desabrochar. Dessa forma, Hades e Perséfone entram num acordo: a deusa passará seis meses em cada um dos mundos.

Na época em que foi desenvolvida, Perséfone foi pensada para testar os recursos tecnológicos de movimentação e expressão que seriam utilizados para criar o primeiro longa-metragem da empresa e o primeiro título a pertencer à franquia Disney Princesa: 'Branca de Neve e os Sete Anões'.

Isso porque, a animação que apresenta Branca de Neve contou com um grande investimento do estúdio e não podia, de forma alguma, dar errado. Dessa forma, Perséfone, animada majoritariamente por Ham Luske e Les Clark, teve os movimentos modelados por meio da esposa de Luske, Frankie, e assim, os animadores descobriram o que era necessário para que uma personagem humana feminina agisse de maneira mais realista.

Apesar de Perséfone ser elástica demais para ser realista, os animadores aprenderam muito sobre o que funcionou e o que precisava ser modificado nos movimentos de Branca de Neve e de outras personagens humanas que eles produziriam para longas-metragens", explicou a ex-coordenadora de estúdio do Walt Disney Family Museum, Alyssa Carnahan, em relato para o site oficial da Disney.

Mais que isso, foi a partir de "A Deusa da Primavera" que os animadores da Disney começaram a usar as Folhas de Design de Personagem, que são fichas que mostram os personagens em diferentes ângulos, poses e expressões, e são usados de guia para construir personagens em uma animação, sem que eles percam suas proporções e características em frames diferentes.

Por que Perséfone não é uma princesa oficial da Disney?

Ainda que pudesse ser considerada a primeira princesa oficial do estúdio, o título fica para Branca de Neve por um único detalhe: a trama de Perséfone não foi distribuída comercialmente.

Acontece que, para pertencer à franquia Disney Princesa, é necessário cumprir 5 regras: precisa fazer parte de uma animação; ser humana ou pelo menos metade humana; nascer princesa, se casar com alguém da realeza ou cometer um ato heroico; ser a protagonista de seu próprio filme, desde que não seja uma sequência; e trazer um bom retorno econômico para os estúdios.

Assim, a narrativa de Perséfone não se encaixa na última regra estabelecida pela Disney por nunca ter a chance de ser comercializada. A trama, inclusive, não é encontrada na plataforma de streaming do estúdio, o Disney+, e pode ser vista gratuitamente por meio de plataformas de vídeo como o YouTube.

Veja a animação abaixo!