Recreio
Entretenimento / Civilizações

Conheça as verdadeiras cores das estátuas gregas

Entre os séculos 19 e 20, arqueólogos deixaram de lado uma característica relevante das esculturas antigas

Redação Publicado em 01/09/2020, às 12h49 - Atualizado às 12h51

A verdadeira cor da estátua - Divulgação
A verdadeira cor da estátua - Divulgação

Quando pensamos em Grécia, logo nos vem à mente a brancura de estátuas e templos, imponentes em sua pureza e formas perfeitas. Mas o que evidências arqueológicas têm revelado é que os objetos da Grécia clássica tinham mais cores do que se imagina.

A ideia da Grécia Antiga como o berço da civilização ocidental foi construída por estudiosos do Iluminismo durante o século 19. No contexto do Imperialismo e Neocolonização, exploradores europeus faziam expedições a países do Oriente Médio e do continente africano em busca de vitórias políticas. Depois, retornavam à Europa com inúmeros objetos de outras culturas.

estatua1                             As estátuas tinham cores vivas / Crédito: Divulgação

Um dos maiores exemplos disso é a Pedra de Rosetta, fragmento de rocha de 1,12 metro de altura datada de 196 a.C., originária do Egito, que foi transportada à Inglaterra e hoje se encontra no Museu Britânico de Londres. 

Os arqueólogos (a Arqueologia, assim como a História e Antropologia, era uma ciência em ascensão na época) passaram a escavar inúmeros objetos no território Grego, como estátuas, templos e ânforas, e construindo junto a outros estudiosos, uma história onde o passado cultural do mundo grego teria dado origem a uma pretensa superioridade europeia.

Ideia semelhante fo disseminada na Itália durante o regime de Benito Mussolini, onde foram realizadas inúmeras escavações arqueológicas para resgatar indícios de um passado Romano glorioso rememorando práticas rituais, gestos, valores e símbolos para a criação do mito de superioridade fascista.

Conhecemos bem o culto que a civilização ocidental tem a cor branca, que simboliza aspectos como a pureza do vestido de noiva e a paz da pomba cristã. Diante disso, os objetos brancos como marfim escavados dos sítios gregos serviam como luva na caracterização dessa cultura.

estatua2                               Mais um notório exemplo da verdadeira cor / Crédito: Divulgação

Portanto, os arqueólogos dos séculos 19 e 20  decidiram esquecer as evidências de que os templos e estátuas eram, na verdade, muito coloridos, provas microscópicas que ainda podem ser detectadas nos objetos.

Essas evidências demonstram que muitos objetos coloridos eram encontrados nos templos dedicados à deuses. Estátuas de da deusa Atena, Afrodite e Zeus e o frontão triangular na entrada de tais construções demonstram a importância que as cores tinham. Muitos dos pigmentos eram derivados de minerais, misturados com pastas feitas de cera de abelha, ovos ou goma arábica.

++Confira a matéria completa no site da Aventuras na História, parceiro da Revista Recreio e Grupo Perfil.