Recreio

Antes de ir ao cinema, relembre o final de Doutor Estranho

O primeiro filme do herói foi lançado em 2016 e antecede os acontecimento de “Doutor Estranho no Multiverso da Loucura”

Izabela Queiroz Publicado em 03/05/2022, às 15h28

Benedict Cumberbatch como Steven Strange - Divulgação/ Marvel Studios
Benedict Cumberbatch como Steven Strange - Divulgação/ Marvel Studios

Quase lá! Com previsão de estreia nos cinemas brasileiros em 5 de maio, faltam poucos dias para o aguardado “Doutor Estranho no Multiverso da Loucura” ser incluso na lista de filmes já lançados pelo Universo Cinematográfico Marvel e fazer história nas telonas.

O longa-metragem que será dirigido por Sam Raimi, promete acompanhar Stephen Strange lidando com as consequências geradas após ter utilizado um feitiço perigoso e proibido que causou a abertura do Multiverso, produzindo um mundo em constante mudança.

No entanto, para compreender o novo enredo vivido pelo mago supremo, é necessário relembrar os acontecimentos finais de “Doutor Estranho”, o primeiro filme do herói lançado em 2016.

Qual foi o final?

Após destruir o Sanctum Sanctorum de Londres e atacar o sediado em Nova Iorque por duas duas vezes, Kaecilius, o rebelde ex-pupilo da anciã, tinha ainda uma missão: eliminar a terceira e última base localizada em Hong Kong.

Assim como as demais, o Sanctum da cidade chinesa foi desenvolvido para proteger a Terra, funcionando como um escudo místico contra a invasão de Dormammu, a entidade poderosa que domina mundos e que buscava levar a dimensão negra para dentro do planeta.

Dessa forma, para impedir a destruição da única base protetora restante no planeta e o domínio de Dormammu, Strange não vê outra solução a não ser usar o Olho de Agamotto para realizar um feitiço arriscado e desautorizado para reverter o tempo e ter a chance de derrotar os vilões.

olho de agamotto
O Olho de Agamotto comporta a joia do tempo e permite que quem utilizá-la controle o fluxo do tempo. Crédito/ Divulgação/ Marvel Studios

O embate começa ainda em Hong Kong, mas após Kaecilius revelar que a dimensão negra é um “lugar muito além do tempo”, algo desperta no herói e o faz invadir a energia extradimensional que permeava a terra em busca de barganhar com o Mago das Trevas.

No entanto, a visita inesperada não agrada Dormammu, que decide eliminar Strange sem muita conversa. Mas, para a surpresa do vilão, o Mago Supremo estabeleceu um loop infinito de tempo no momento que adentou a dimensão negra, fazendo-o voltar a vida todas as vezes que o Lorde Sombrio o matava.

Dessa forma, o Devorador de Almas acabou virando um prisioneiro do tempo de Strange, que sem sua liberdade passou a implorar para que o herói acabasse com o loop, resultando na barganha que Stephen buscava desde o início: Tirar Kaecilius e os seguidores do Lorde do Caos da terra e libertar a raça humana de ameaças — pelo menos por enquanto.

A cena pós créditos

A cena mostra Mordo, indo atrás de Jonathan Pangborn, o homem paralitico procurado por Stephen no início da trama e responsável por direciona-lo para Kamar-Taj, lugar onde o ex-cirurgião aprendeu a drenar os poderes mágicos.

No entanto, a visita de Mordo não é amigável, visto que durante o filme, o personagem que seguia as regras estritamente, demonstrou desaprovar o uso indevido da magia realizado tanto pela anciã, quanto pelo mago supremo, mesmo que fosse para um bem maior.

Assim, insatisfeito e com senso de justiça apurado, Mordo retira toda a magia do corpo de Pangborn, enquanto revela que descobriu o que há de errado com o mundo: “Magos em excesso”.