Recreio
Corpo Humano / Comportamento

Expressões faciais: O que elas dizem sobre a gente?

Diversas vezes, elas são o suficiente para demonstrarmos o que estamos sentindo

Lucas Vasconcellos Publicado em 10/06/2020, às 13h00 - Atualizado às 19h02

Getty Images
Getty Images

Usar a voz ou a escrita para se comunicar não são as únicas maneiras de enviar um recado ou demonstrar alguma emoção. O rosto também faz isso, de forma involuntária. São as chamadas expressões faciais, como sorrir ou arregalar os olhos, resultado da contração de músculos da face. Algo que acontece com todos os seres humanos, independentemente de seu local de origem.

Vários sentimentos

Expressar-se usando apenas os olhos ou a boca, por exemplo, é uma atitude ligada ao funcionamento do sistema nervoso autônomo (área no cérebro responsável por ações involuntárias, como sentir frio ou calor). Por isso, você mexe partes do rosto quando está feliz ou irritado e nem se dá conta disso.

Ao mesmo tempo, o que o rosto das outras pessoas demonstra durante uma conversa também causa reações em você. Por exemplo: você pede um brinquedo novo para o seu pai e ele, sem dizer nenhuma palavra, demonstra irritação. Isso basta para que a sensação de medo surja em você.

Todos juntos

A explicação científica mais aceita para entender por que todo mundo usa as mesmas expressões faciais está ligada ao ancestral do ser humano. Milhares de anos atrás, quando não havia o repertório de palavras que temos hoje, o rosto ajudava a contar os fatos. O que a cultura de cada lugar do planeta influencia nesse momento é no exagero durante as reações.

Quando uma expressão facial ou gesto se desenvolve em uma cultura, torna-se um emblema do local. E, se houver divulgação, isso pode ser reconhecido em outras culturas ao redor do planeta como o símbolo do local. São os casos do sinal de positivo o dedo polegar: na Roma antiga, quando o imperador decidia sobre a vida de alguém, levantava o dedo; os britânicos utilizavam o gesto quando selavam um acordo; já os franceses faziam isso porque começavam contagens a partir desse dedo.

Alerta!

As emoções básicas são divididas em dois grupos de comunicação: o positivo (alegria e surpresa) e o negativo (raiva, tristeza, medo, nojo e desprezo). Como, em geral, as pessoas não curtem lidar com sentimentos negativos, muita gente considera as expressões que os acompanham como falta de educação. É por isso que, desde a infância, somos ensinados a esconder certos sentimentos. Mas isso não é legal. O ideal seria que aprendêssemos a lidar com os sentimentos, bons ou ruins, como algo natural.

Consultoria: Sergio Senna (doutor em psicologia pela UnB, especialista em linguagem corporal e professor do Instituto Brasileiro de Linguagem Corporal).


+Saiba mais sobre o corpo humano por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

Meu Primeiro Livro do Corpo Humano, de Clive Gifford (2019) - https://amzn.to/2W9bUf8

Corpo humano: Órgãos, sistemas e funcionamento, de Iriam Starling e Rafael Zorzi (2017) - https://amzn.to/3c6QW6i

Meu primeiro atlas dobra e desdobra do corpo humano, de Yoyo Books (2018) - https://amzn.to/2yBL6LD

Explorando o mundo - corpo humano, de North Parade Publishing (2017) - https://amzn.to/2L7ZPAU

Top 100: Corpo Humano, de Cheeky Monkey (2017) - https://amzn.to/2xEUCgz

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Recreio pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/3doipA

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2WBSheM