Planetário

Será o fim do mundo?

Várias teorias!

Catástrofe adiada
Uma das previsões mais comentada hoje em dia é a do calendário maia, povo que habitou a região do México e América Central durante mais de dois mil anos. De acordo com o artefato de pedra criado no século sete antes de Cristo, o fim do mundo vai acontecer no dia 21 de dezembro de 2012. Nada de pânico. Pesquisadores já provaram que isso não passa de superstição. Ou seja, o fim do mundo foi adiado para daqui a alguns milhões de anos!

Que calor!
Entre as previsões a mais aceita tem a ver com a morte do Sol. Calma. Isso só vai acontecer daqui uns seis bilhões de anos. Nessa época, o astro-rei começará a crescer e crescer até engolir Mercúrio, Vênus e, depois, a Terra. Depois irá encolher muito e virar uma estrela bem pequena e com pouco brilho chamada anã branca. Se o nosso planeta não desaparecer nesse processo, a vida por aqui será praticamente impossível com tão pouca luz e calor.

Sai de baixo!
Existe uma infinidade de asteroides vagando pelo espaço que trazem risco à Terra. É o caso do asteroide Toutatis. A rocha espacial passará perto do nosso planeta em dezembro e muitas pessoas acreditam que ela irá se chocar com a Terra. O impacto traria grandes catástrofes e poderia até levar muitas espécies à extinção, inclusive o homem. Mas não se preocupe, porque o risco de colisão é bem pequeno. De acordo com a Nasa, ele deve passar bem longe de nós.

Bola de gelo
O nosso mundo pode terminar numa enorme bola de neve. É o que propõe o cientista russo Michio Kaku, da Universidade de Nova York, nos Estados Unidos. Ele acredita que o universo está se expandindo muito rápido (ficando maior) e, por isso, é provável que em algum momento a Terra comece a se afastar do Sol. Se o planeta ficar muito longe do astro-rei a ponto de não receber mais sua luz, a vida por aqui vai acabar.  Sua teoria, no entanto, não é aceita pela maioria dos cientistas.

Superpoderoso
A extinção dos seres humanos por meio de um vírus letal parece até cena de filme de ficção científica. Além da mutação que sofrem na própria natureza, hoje é possível criar vírus terríveis em laboratório. Se um deles sobreviver e conseguir se espalhar rapidamente, por exemplo, pelo ar, adeus à humanidade. Claro que a possibilidade de isso ocorrer é bem remota. Os cientistas estão sempre alertas e pesquisando curas para diversas doenças.

Planeta andarilho
O astrônomo israelense Zecharia Sitchin, afirmava que existe um gigantesco objeto estranho vagando pelo sistema solar. Batizado de Nibiru, o planeta chegará ao final de 2012 bem pertinho da Terra e sua atração gravitacional causará catástrofes tão fortes que ninguém irá sobreviver. Só que até agora nenhum cientista conseguiu provar que o tal astro existe. Tudo não passa de mais uma teoria bizarra.

Explosão estelar
Quando uma estrela gigantesca muito maior do que o Sol morre, ela explode e pode brilhar mais que uma galáxia inteira. Se isso acontecer perto de nós, a energia da explosão pode acabar com a vida no planeta por causa da radiação liberada ou até  destruir a própria Terra. O pior é que a estrela Eta Carinae (a cerca de 7,5 mil anos-luz de distância) pode explodir a qualquer momento. Calma, “a qualquer momento” para os astrônomos significa nos próximos 30 mil anos!

Embaixo do solo
Imagine se existisse um vulcão tão grande que nem desse para ver! Um supervulcão tem a boca coberta de terra e dentro dela caberia uma cidade inteira. Cientistas acreditam que existem vários desses supervulcões pelo mundo. A erupção de um deles teria a força da colisão de um pequeno asteroide com a Terra e as consequências para o planeta seriam desastrosas: além de terremotos e maremotos, a grande quantidade de fumaça e gases expelidos envenenariam a atmosfera.

Tá esquentando...
Você, com certeza, já está cansado de ouvir falar no aquecimento global, que deve aumentar a temperatura da Terra em até 5 graus Celsius nos próximos 100 anos. Parece pouco, mas é o suficiente para causar bons estragos por aqui e levar muitas espécies à extinção. Agora se o calor aumentar ainda mais, a vida no planeta correrá risco! Os cientistas não sabem dizer ainda como o aquecimento global afetará a Terra daqui a umas centenas de anos.

Colisão espacial
A Via Láctea (onde está o sistema solar) um dia irá colidir com a galáxia vizinha, Andrômeda. Alguns cientistas acreditam que a Terra e o Sistema Solar não correm risco de destruição e outros dizem que o Sol será arrastado para uma nova região na galáxia. Se isso acontecer, claro pode o universo como conhecemos hoje sofrerá muitas mudanças. Mas não há motivos para sair correndo: a previsão é de que isso ocorro daqui uns 4 bilhões de anos.


CONSULTORIA: Gustavo Porto de Mello (astrônomo do Observatório do Valongo da UFRJ).

FONTE: site on-line do Prof. Kepler de Oliveira, da UFRGS; revista Superinteressante (edição 298, dezembro/2011)

04/08/2017 - 18:00

Assine Recreio e receba todo mês na sua casa! Clique Aqui