Notícias

Alimentos que já foram remédio

Confira!

Algumas das comidas que consumimos hoje em dia já serviram para tratar doenças no passado. Dê só uma olhada!

Refrigerante de cola
O líquido de cor preta já teve várias funções. Em 1885, uma marca era vendida por Charles Alderton, farmacêutico dos Estados Unidos, como estimulante para o cérebro. Um ano mais tarde, John Pemberton, outro farmacêutico norte-americano, inventou uma nova bebida de cola, prometendo tratar a dor de cabeça.

Ketchup
Esse molho, que todo mundo adora colocar no sanduíche, surgiu na China como um tempero (sem tomate), no século 17. No século seguinte, a criação conquistou os ingleses. Em 1820, o produto já era vendido nos Estados Unidos, mas ainda não tinha tomate. Até que, em 1834, Archibald Miles, um médico de lá, disse que o tomate curava diarreia e resolvia queda de cabelo. A partir daí, o ketchup ganhou status de remédio.

Cereal matinal com flocos de milho
Em 1894, o médico norte-americano Will Keith Kellogg criou esse tipo de comida com o objetivo de melhorar a alimentação de pessoas que estavam em hospitais. Com o tempo, o cereal se popularizou e chegou à casa das pessoas, que o consomem, principalmente, no café da manhã, como fonte de energia.

Manteiga de amendoim
Pensando no bem-estar de idosos que não tinham dentes ou força para mastigar alimentos como a carne, o médico Ambrose Strub, dos Estados Unidos, criou a manteiga de amendoim, em 1903. Alguns anos depois, o produto, inventado só para quem tinha dificuldades, caiu no gosto popular e passou a ser vendido para qualquer pessoa.

Ainda mais estranho!
Suor e partes do corpo humano também já foram usados em tratamentos bem esquisitos de antigamente:

Pingando!
Pode acreditar: o suor eliminado por nosso corpo já foi usado no tratamento de doenças como a tuberculose. No século 18, havia a crença de que o suor de alguém que sofreu até a morte tinha uma energia capaz de curar problemas de saúde.

Cabeça em dia
No século 17, profissionais da saúde e cientistas acreditavam em um jeito inusitado para tratar problemas psicológicos: triturar o cérebro de um morto, misturá-lo com vinho e guardar essa meleca por 6 meses. E essa é ideia é bem mais antiga! Há registros do uso de cérebro humano para curar problemas de saúde no Papiro Ebers, um tipo de livro que descreve remédios populares do Egito antigo, cerca de 3,5 mil anos atrás!


Consultoria:
José Lucas Cordeiro Fernandes (professor UECE/NEVE/ARCHEA).


26/07/2017 - 10:30

Assine Recreio e receba todo mês na sua casa! Clique Aqui