Natureza

Como cuidar de plantas carnívoras

Cuidados especiais

Sabe aquelas plantas carnívoras monstruosas que aparecem nos filmes, engolindo exploradores distraídos? Pois elas só existem mesmo no cinema. Na natureza, esses vegetais costumam ser pequenos, delicados, coloridos e, apesar do nome, não comem carne humana! No máximo, capturam moscas, abelhas, aranhas, lesmas, caramujos e até uma ou outra perereca mais lerda. Portanto, a menos que você tenha antenas, asas e o tamanho de um inseto, não precisa ter medo delas.

E dá até para cuidar de uma planta carnívora em casa! Três dicas são essenciais para essa missão:
– Deixe a planta carnívora em um local ensolarado.
 Molhe o vaso todo dia no verão.
 Não a alimente. A planta vai pegar os insetos de que precisa.

Essa espécie vegetal se distingue das demais porque tem a capacidade de atrair, prender e digerir formas de vida animal, que são ricas em proteínas. As plantas carnívoras são cheias de truques e armadilhas. Primeiro, elas atraem os insetos com o aroma do seu néctar. Algumas fazem isso usando o brilho de gotinhas viscosas que produzem.

A forma de capturar a vítima varia de uma espécie para a outra. Pode ser fechando as suas folhas com grande rapidez ou então prendendo o inseto em substâncias colantes. Aí então começa a digestão, que é realizada por meio de enzimas que retiram da presa o nutriente que a planta não encontra no solo e que é absorvido pelas folhas.

Amigas dos dinossauros
Os cientistas acreditam que as primeiras plantas carnívoras surgiram ainda no tempo dos dinossauros, ou seja, há 65 milhões de anos. Elas evoluíram de espécies originárias de solos pobres em nutrientes, que passaram a retirar do ambiente o alimento que a terra não dava.

Existem mais de 500 espécies de plantas carnívoras em todo o planeta. Elas crescem em solos pouco produtivos, pobres em nutrientes, geralmente em brejos ou terrenos pedregosos. No Brasil já foram identificadas mais de 80 espécies que florescem principalmente nas chapadas e serras de Minas Gerais, Goiás e Bahia. Conheça algumas espécies que existem pelo mundo.

De boca aberta
A Dionaea muscipula tem folhas com 15 a 20 “dentes” que parecem uma boca sempre escancarada a espera de algum inseto.  Em seu interior há pelos que quando são tocados pela presa entram em ação fazendo com que as folhas se fechem numa fração de segundos. Isso acontece com tanta força que o bicho é quase sempre esmagado. 

Boa de grude
Uma espécie bastante comum nos cerrados brasileiros é a Drosera montana, que tem folhas com substâncias colantes. Suas principais vítimas são pequenos insetos voadores que depois de ficarem grudados são digeridos.

As sugadoras
Plantas como a Ultricularia humboldtii têm pequenas bolsas com aberturas cercadas por pelos sensíveis, que quando estimulados fazem com que elas se abram sugando a presa para dentro.

Jarro traiçoeiro
Espécies como a Nepenthes alata têm na ponta de suas folhas um tipo de estrutura oca parecida com um jarro com borda brilhante, que atrai insetos. Quando eles pousam, acabam caindo no tubo escorregadio e se afogando lá o líquido digestivo da planta.


Consultoria:
 Pedro M. S. Nunes (pós-graduado pelo Instituto de Biociências da USP).


29/07/2017 - 18:00

Assine Recreio e receba todo mês na sua casa! Clique Aqui