Curiosidades

Qual é o certo: biscoito ou bolacha?

Como você fala?

Nosso idioma tem diversas palavras diferentes para se referir ao mesmo objeto ou comida. Veja alguns exemplos e aumente o seu vocabulário!

Biscoito ou bolacha
Um tipo de biscoito existe desde a Pré-História, quando a alimentação dos homens das cavernas era baseada em grãos triturados. Mas foi com os persas, no século 7 antes de Cristo, que esse petisco ficou parecido com o atual – na época, era um pão achatado de farinha de trigo achatado. No século 17, ganhou sabores. Já o termo nome bolacha apareceu em 1703 com a palavra holandesa koekje (que também gerou as variações cookie e cracker).
Quem diz o quê? Biscoito e bolacha são termos corretos para indicar o mesmo alimento. Mas, enquanto Rio de Janeiro, Bahia e outras regiões do Nordeste usam mais a palavra biscoito, o termo bolacha é mais falado em São Paulo e em cidades das regiões Sul e Centro-Oeste.

Semáforo, farol ou sinaleira

Os três são usados no Brasil para um invento de 1868, criado para ser colocado, na época, em ruas próximas ao Palácio de Westminster (Reino Unido). A ideia sempre foi a mesma: auxiliar as pessoas enquanto dirigiam automóveis.
Quem diz o quê? De acordo com o Código de Trânsito Brasileiro, semáforo é o nome oficial desse instrumento. Mas as variações ocorrem conforme a região do país: farol é mais comum em São Paulo e sinaleira nos estados do Sul (Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná).

Abóbora ou jerimum
Em 1500, quando os portugueses chegaram ao Brasil, os índios já cultivavam a aboboreira, planta que tem a abóbora (ou jerimum) como fruto. Naquela época, a abóbora era o terceiro produto agrícola mais importante, depois da mandioca e do milho. Logo, o vegetal foi levado para a Europa pelos portugueses.
Quem diz o quê? No Sul, Sudeste e Centro-Oeste do Brasil, usa-se abóbora. A região Norte prefere jerimum.

Mandioca, aipim ou macaxeira
Essa planta, assim como a abóbora, já era cultivada pelos índios quando os portugueses chegaram ao Brasil, em 1500. Atualmente, nosso país é um dos maiores produtores mundiais de mandioca (ou macaxeira).
Quem diz o quê? No Sul e Sudeste do país, exceto o Rio de Janeiro, todo mundo diz mandioca. No Norte e Nordeste vira macaxeira ou aipim. E ainda tem outros nomes: castelinha, uaipi, mandioca-doce, mansa e maniveia.

Pipa ou papagaio
A primeira pipa do mundo surgiu na China, por volta do ano 1200 antes de Cristo. Era usada para sinalização militar: os movimentos e as cores transmitiam mensagens à distância. Aos poucos, as pipas foram levadas para outros países, como Japão e Coreia, onde passaram a simbolizar felicidade, sorte e vitória. No Brasil, estima-se que o brinquedo chegou pelas mãos dos portugueses.
Quem diz o quê? Os termos papagaio e pipa são mais usados em São Paulo e no Rio de Janeiro. Pelo país, surgem outras palavras: arraia (Bahia), pandorga (Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina) e balde (Maranhão).

Pebolim ou totó
Inspirado no futebol, esse jogo permite que os jogadores manipulem bonecos. Foi inventado na Europa, em 1936, pelo espanhol Alexandre de Fisterra. Ferido durante a Guerra Civil Espanhola, ele ficou internado em um hospital em Monserrat (Espanha) onde criou o futebol de mesa (ou pebolim ou totó) para passar o tempo.
Quem diz o quê? É conhecido como pebolim no Sul, Centro-Oeste, São Paulo e sul de Minas. Vira totó no Nordeste, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Minas Gerais e Pará – e ainda é chamado de pacal no sul de Santa Catarina.

Tangerina, bergamota ou mexerica
A origem dessa fruta não é clara – pode ter vindo do sudeste asiático (Laos ou Filipinas) ou do sudoeste da China. O que se sabe é que ela foi levada para a Europa pelo inglês Abranham Hume e ganhou o mundo.
Quem diz o quê? No Sudeste, é conhecida como tangerina. No Sul, é bergamota. No Nordeste, vira mimosa e laranja-cravo. Outros nomes: mandarina, fuxiqueira, manjerica, poncan e mexerica.


CONSULTORIA: LUIZ F. DE FREITAS TAVARES (BACHAREL E LICENCIADO EM HISTÓRIA PELA UERJ).


27/07/2017 - 10:30

Assine Recreio e receba todo mês na sua casa! Clique Aqui