Curiosidades

Por que o mel não estraga?

Segredo das abelhas

Se for armazenado de forma correta, o mel pode mesmo durar séculos! Esse alimento tem pouca água e é bastante ácido, o que cria um ambiente desfavorável para o surgimento de bactérias.

E sabe por que o mel tem pouca água? Esse efeito se deve à ajuda das abelhas, que fazem a secagem do mel: quando a substância vai para os favos, dentro das colmeias, esses insetos elas ficam batendo as asas para secá-la o máximo o possível.

De todo tipo
Não existe um só um mel na natureza. Ele pode variar de acordo com a planta de onde a abelha recolheu o néctar e a espécie do inseto. Esses fatores fazem com que a cor e a composição do mel mudem: os mais claros possuem menor concentração de minerais.

As abelhas produzem o mel usando o néctar das flores: essa substância é processada por enzimas digestivas dos insetos. Então, o mel é armazenado em favos dentro da colmeia para que as abelhas se alimentem dele.

Faz muito bem!
Essa é uma ótima alternativa ao açúcar. O mel não passa por processos químicos de produção e conservação. Além disso, o açúcar presente no mel é absorvido rapidamente pelo organismo, por já ter passado pelo processo de digestão das abelhas. Isso dá energia quase instantânea ao organismo humano.

O mel das abelhas também é rico em substâncias antibióticas, aromáticas e sais minerais, que combatem infecções e reforçam o sistema imunológico, que defende o corpo humano.

Mais de um bicho
Além das abelhas e dos marimbondos, existe outro animal capaz de produzir essa substância: a formiga-pote-de-mel, que vive nos desertos da África, América do Norte e Austrália.

Diferentemente das abelhas, que guardam o mel nos favos da colmeia, essas formigas contam com integrantes especiais do formigueiro, que ficam presas no teto e guardam o líquido doce no abdômen. Ele serve de alimento nos momentos em que falta comida.

Sinal de alerta
Apesar de o mel ser um alimento nutritivo, crianças de até 1 ano não devem consumi-lo. A culpa é de uma bactéria presente no mel, que causa o botulismo intestinal (um tipo de intoxicação alimentar). Até 1 ano de vida, o organismo humano não consegue se defender sozinho desse microrganismo. 


Consultoria: Cristiano Menezes (pesquisador da Embrapa Amazônia Oriental e membro do conselho científico da Associação Brasileira de Estudos das Abelhas - A.B.E.L.H.A.).


09/08/2017 - 09:30

Assine Recreio e receba todo mês na sua casa! Clique Aqui